Dois manifestantes são detidos durante protesto contra Feliciano

 

O presidente da Comissão de Direitos Humanos disse que foi chamado de racista no meio da gritaria. A comissão mal conseguiu trabalhar.

 
 
  

Na quarta-feira (27) teve mais uma sessão tumultuada na Comissão de Direitos Humanos da Câmara. Dois manifestantes foram detidos Polícia Legislativa.

O deputado Marco Feliciano disse que foi chamado de racista no meio da gritaria que se viu na comissão por um manifestante. A Comissão de Direitos Humanos mal conseguiu trabalhar.

Balanço do dia na Comissão de Direitos Humanos: muitos protestos, tumulto e dois manifestantes detidos. O barulho era de quem pedia a saída de Marco Feliciano da presidência da Comissão e também de defensores do deputado.

O presidente da Comissão pediu, mas não conseguiu silêncio para começar a reunião. Acabou se irritando com a acusação de um dos manifestantes. “Ele vai sair preso daqui porque me chamou de racista e tem que provar que eu sou racista. Isso é crime”, falou.

Começou uma confusão. “Porque eu negro, pobre e gay”. O rapaz foi levado para a Polícia Legislativa. E como o clima não esfriou, a sessão foi suspensa.

Depois que o presidente da Comissão transferiu a reunião para outra sala e os manifestantes foram proibidos de entrar, eles decidiram ir protestar em frente ao gabinete do deputado Feliciano e causaram mais tumulto. Os seguranças não permitiram que os manifestantes se aproximassem do gabinete. Depois do empurra-empurra, outro rapaz foi preso.

Sem a presença dos manifestantes, os trabalhos da comissão finalmente foram adiante. No fim da reunião, o deputado Feliciano falou sobre a confusão de mais cedo.

“Mostramos ao Brasil que democracia é isso, e às vezes é preciso tomar medidas como tomamos do outro lado. Não medidas austeras, mas medidas à luz do regimento interno da Câmara dos Deputados. Um parlamentar precisa ser respeitado como todo ser humano precisa ser respeitado”.

Deputados voltaram a pedir a renúncia de Marco Feliciano. “Eu acho que ele tem que sair”, afirmou Nilmario Miranda, do PT de Minas Gerais.

O líder do Partido Social Democrata disse que Feliciano já decidiu. “Ele vai presidir a comissão até o ultimo dia do seu mandato”, afirmou André Moura.

A Polícia Legislativa informou que vai analisar as imagens feitas pelas câmeras para investigar se os dois rapazes detidos cometeram crimes e seu houve abuso dos seguranças. O segundo manifestante detido mostrou um hematoma no braço e foi fazer exame no IML.